março 13, 2005

Contos Sensoriais (II)

Havia um retrato na parede do quarto de Isabel. Era o retrato de uma velha — ela me contou —, uma fotografia esquecida pelo antigo morador da casa que acabara de alugar. Era o retrato de uma velha, uma imagem envelhecida também. No olhar da velha, sua velhice inteira, disse-me Isabel. Não que houvesse ali sabedoria ou experiência, “essas coisas que queremos ver nos velhos, porque queremos ver em nós mesmos”. Não, em seu olhar havia apenas velhice: nenhuma transparência, opacidade pura. Isso tudo me contou Isabel, porque eu já não podia ver.

E me contou também que aquela velha era um pouco ela própria. Como? — perguntei-lhe. Isabel ficou em silêncio. Insisti em tom mais alto, imaginando que ela não tivesse me ouvido. Novo silêncio. Isabel olhava-me fixamente. Isso eu não podia ver, mas sabia. Isabel tinha os olhos marejados. Isso eu não podia ver, mas sentia em minhas mãos, entendendo que me restava também o silêncio.

O retrato da velha na parede nos contemplava vazio. Isabel não chegou a chorar, porque não queria que as lágrimas limpassem seu olhar do silêncio mais fundo. Isabel queria o vazio também, um vazio que a aproximasse da velha na parede; um vazio que a aproximasse de mim.

6 Comments:

Anonymous Fernando Henrique said...

Você poderia ter penetrado no vazio dela. Dela, não do espelho.

1:33 AM  
Anonymous Anônimo said...

Lindo!
Gosto tanto quando escreve assim.

11:25 AM  
Blogger Supernova said...

Contos sinestésicos me fazem sentir, sem querer, aquele arrepio que começa na última vertebra e sobe resfriando o corpo até o pescoço...

Muito bom!

Beijos

12:22 AM  
Blogger Pedro Vinces said...

É muito bom ser guiado numa leitura da maneira como este conto faz. Muito bom!
É por essas e outras que me orgulho de ter sido(ainda sou) seu aluno.
Sinceramente espero que a série não termine no II.

Abraços!

3:40 PM  
Anonymous Anônimo said...

Como é gostoso poder ler algo assim, da uma sensação de proteção tão...familiar?! "Only respire" Uau...Bruno, você arrasa quando escreve assim, me dá calafrios. Parabéns! Anciosa por "Contos Sensoriais" 3, 4, 5...

9:54 PM  
Anonymous Beatriz Lima said...

Mto bom, gostei muito.

10:51 PM  

Postar um comentário

<< Home